Sexta-feira, 19 de Agosto de 2011

Quando o mundo enlouqueceu

Como Passos Coelho prometera em campanha, o Governo entrou a matar. Aumentou o IRS, sacrificando os salários. Atacou os trabalhadores, facilitando os despedimentos. Eliminou as ‘golden shares', beneficiando as empresas. E, por último, subiu os preços dos transportes, sem explicar porquê. Ou seja, foi igual a si próprio: apostou nas receitas, protegeu os mais ricos e triturou todos quantos já se encontravam no limiar da pobreza.

Mas, se bem me recordo, o objectivo era um ataque impiedoso às despesas. Eles até tinham uma lista pronta a entrar em acção: era tomar posse, pegar na lista e cortar, cortar, cortar. Pelos vistos, esqueceram-se. Os próximos alvos são idênticos aos anteriores: absorvem mais um fundo de pensões e antecipam o aumento de preços na electricidade e no gás. Desculpem, a intenção era mesmo gozar connosco?

 

2 - O futuro que a economia nos reserva é conhecido: o PIB, que tivera um crescimento ligeiro em 2010, começou a cair no início de 2011 e assim se deverá manter até ao final do primeiro trimestre de 2013 - nove trimestres consecutivos de recessão, como muito bem explicou o ministro das Finanças. De permeio serão destruídos mais 100 mil postos de trabalho, a taxa de desemprego ultrapassará os 13% da população activa e as duas dívidas continuarão como loucas a subir. É um cenário trágico, mas que a Troika nos impôs: nada a fazer.

Mas se aquele é um modelo suicida, ao promover uma consolidação tão violenta num espaço tão curto, já tenho dificuldade em perceber como é que o Governo ainda se propõe ir além do que foi acordado, ultrapassando a Troika pela direita e provocando uma recessão ainda maior. É um cenário de loucos.

 

3 - Por detrás desta obsessão orçamental está o controlo da dívida pública, que chegou a valores incomportáveis. Com um peso de apenas 50% do PIB em 2000, esta dívida tem vindo sistematicamente a crescer e ultrapassou a barreira dos 100% em 2011. Como o que conta é aquela relação face ao PIB, entrámos numa espécie de círculo vicioso: o que ganhamos em austeridade perdemos em recessão.

É aqui que tudo se complica. Como se sabe, Portugal foi recentemente beneficiado com uma redução das taxas de juro e com uma extensão dos prazos dos empréstimos, a troco do compromisso de exclusão total de qualquer cenário de reestruturação. Sucede que, em 2013, a dívida esperada é de 115% do PIB, com a economia estagnada: a reestruturação é inevitável. Como é que vamos descalçar a bota? Será este o pretexto para nos expulsarem do euro?

 

4 - Mas a dívida pública não esgota os problemas. Tão grave ou mais do que esta é a dívida externa, hoje com uma dimensão ainda maior e que também não pára de crescer. Um bom indicador para medir este fenómeno é o da balança corrente: o seu défice era de 10% do PIB em 2000, teve mutações ligeiras num ou noutro ano e terminou com os mesmíssimos 10% do PIB em 2010. Apesar do voluntarismo recente, praticamente nada mudou.

Hoje, com os cortes brutais no consumo e no investimento, as esperanças nalgum crescimento económico voltaram-se de novo para as exportações. Nada a opor, a opção parece sensata. Mas temos de ser realistas: dois terços das nossas exportações vão para a área do euro, que está em crise; e a parte restante vai para zonas as mais diversas onde é muito difícil entrar. A própria TSU parece não ser solução.

 

5 - Os principais cenários macroeconómicos de que se dispõe vão até ao final de 2012, com algumas excepções para as contas públicas, que incluem um ano mais. Mas o Banco de Portugal, com dados de Maio, arriscou projecções até 2016, o que torna o quadro menos depressivo: a esta luz, a retoma deverá iniciar-se em 2013 e as dívidas começarão a baixar logo a seguir. Com dados de hoje, presumo que fosse mais pessimista. Mas saboreemos o que há: a perspectiva é de um crescimento económico sustentável a médio prazo.

Ainda assim, devemos ser cautelosos. A dívida pública atingiu uma tal dimensão que só será possível controlá-la se o PIB nominal crescer a uma taxa nunca inferior a 5% ao ano. E em nenhum caso as projecções mencionadas sustentam este valor. O fantasma da saída do euro vai infernizar-nos a cabeça até ao fim.

 

6 - Sendo este o quadro, haverá condições para que o Governo venha a cumprir a legislatura? Esperamos todos que sim: as eleições foram limpas, a coligação é maioritária e o acordo com a Troika é para cumprir. Mas ninguém sabe até onde a contestação poderá chegar. E o propósito assumido de ir além do acordo foi manifestamente infeliz.

Aqui entra o líder do PS, António José Seguro. É óbvio que ele terá de cumprir o acordo, e já demonstrou inequivocamente que o fará. Mas nunca poderá validar o que for além disso. Do mesmo modo que deverá aproveitar esta liderança socialista para marcar as diferenças em relação a Pedro Passos Coelho. E há muitas frentes a explorar: o crescimento económico, a protecção ao emprego, a distribuição dos rendimentos, as acções sociais...

Eis um tema interessante. Mas fará sentido debatê-lo num mundo que enlouqueceu?

 

PORTUGAL E O FUTURO*

 

Mudar de vida...

(Taxa de variação (%))

...mas devagarinho

(Dívidas, % PIB)

   

A actual recessão, iniciada no primeiro trimestre de 2011, vai prolongar-se por nove trimestres consecutivos e entrar em 2013. A retoma virá a seguir, ainda que com números modestos e decrescentes, até pelo menos 2016. Já as duas dívidas, a pública e a externa, só iniciarão a descida, e assaz envergonhada, a partir de 2014. Aos políticos que nos governam pede-se cabeça fria: o cenário que nos espera é de caos social.

Fonte: Banco de Portugal

____

Daniel Amaral, Economista
d.amaral@netcabo.pt

 

Comentários:

 

 

 LLC , | 19/08/11 14:29
Salazar, volta que estás perdoado. Foste o único que alguma vez teve um Governo sem deficits, não deixas-te dívidas para o Povo pagar, construiste muita coisa incluido escolas que hoje vão fechar, e ainda por cima viraste as costas para a Europa e apostaste nos países de expressão portuguesa (coisas que hoje estão tidas como a saída para a crise).

 

´zé escorpião , Cascais- S.Domingos Rana | 19/08/11 13:55
Há muito que sigo os seus comentários e opiniões. Com o tempo vamos chegar à co clonclusão, que foi um erro a adesão ao euro. Quem teve razão antes de tempo foi o Prof. Ferreira do Amaral. Mas como é pouco meidiático, a sua voz pouco se faz ouvir neste país , dirigido por uns "estarolas" da S. Caetano à Lapa. Ajudados por um Super Ministro, que veio num "contentor" proveniente do Canadá. E que até ao momento a grande e brilhante idéia para nos salvar da recessão, foi aconselhar os exportadfores a por~em uma bamdeirinha de Portugal nos seus produtos. Será que o homem quer adaptar a iseia do Scolari?

 
olho vivo , porto | 19/08/11 12:34
ESTAMOS FARTOS de diagnósticos ... FARTOS de prognosticos..... FARTOS de culpados, QUEREMOS É SOLUÇÕES E ISTO SIM DARIA UM ÓPTIMO texto... o resto é BLÁ BLÁ Blá e com cores e bandeiras partidárias..... uma pura PERDA DE TEMPO . HAJA PACIÊNCIA !!!
 
Zeca Totta , | 19/08/11 11:58
Uma corja de Jebos que deixou escapar, e deixará, muitos milhões para offshores em conluio com o BdP, bancos e outras respeitáveis instituições. Simultaneamente, aumentam o IVA, cortam nos vencimentos de quem trabalha e vendem o que dá lucro por tuta e meia... Sabem o que vai acontecer? Um extraordinário final Felliniano... Uma miséria bela e cheia de encanto - com mulheres semi-nuas e lindos esfomeados... Filas intermináveis de marmiteiros à porta da Mitra, etc., etc.
 
D. Sebastião está prestes a chegar. Vem num navio porta-contentores, ao largo de Sines! , | 19/08/11 11:26
Já se vê de novo D. Sebastião, vindo nas brumas do Oriente e na bolina dos ventos do Sul, ao largo da Costa de Sines ... vem à proa de uma frota de navios porta-contentores que chegam dos Trópicos (África e Brasil), e do Oriente (China) pela rota das Índias Ocidentais (Canal do Panamá) - tal como imaginada por Colombo.
- E, chegadas a Europa, o que levarão essas "naus" de volta? Por terra adentro - como uma lança do Oriente na Europa, e, da Europa, em Portugal, para o mundo - vejo searas de metal reluzente que cobrem os telhados de grandes pavilhões, fábricas e armazens, de onde chegam e partem comboios, serpenteando vagões de contentores de metal e materias-primas a granel -e tudo isto me faz relembrar o frenesim da "Ribeira das Naus" noutras eras!...
Caro Daniel Amaral... quem crê em D. Sebastião, acredita que além do desastre um império se estende; além da tempestade, o sol e a bonança despontam; além da linha do horizonte, uma nova esperança, o renascer, um no
 
j , | 19/08/11 10:03
Que lindo que é ver os gráficos todos ordeiros a submeterem-se às previsões daquilo que sonham os economistas... acordem para o mundo real: youtube.com/watch?v=F-QA2rkpBSY&feature=related
 

Sair do euro para salvar Portugal do caos e da perda total de independência , | 19/08/11 09:09
Portugal tem de sair do euro pelo seu pé, de forma ordeira, de cabeça levantada.
 
Boas perspectivas , | 19/08/11 01:33
Crescimento do PIB a 5% ao ano?????????????????
Acho que vou mudar já pró Brasiu...
 
mario , | 19/08/11 00:45
ESTAMOS ENTREGUES À SEITA DO COSTUME...37 ANOS DESTA RAPAZIADA QUE EM NOME DAS IDEOLOGIAS TÊM RUOBADO TUDO O QUE PUDERAM...JAMAIS PARARÂO,,,A NAO SER QUE OS PORTUGUESES ACORDEM
publicado por ooraculo às 15:53
link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Dezembro 2012

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
12
13
14
15

16
17
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30
31


.posts recentes

. Regresso ao futuro

. Passos perdidos

. 2013: A vertigem

. O Estado "social"

. O declínio da Europa

. Chover no molhado

. O Estado vampiro

. A escapatória

. OE/2013: a ruptura

. Um país destroçado

.arquivos

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

blogs SAPO

.subscrever feeds