Sexta-feira, 13 de Janeiro de 2012

A dívida nacional

Nos últimos tempos quase só se falou de dívida pública, ou soberana, reflectindo aquela dívida que o Estado assumiu interna e externamente e que ninguém sabe como vamos pagar. Mas há uma outra, porventura ainda mais importante, que continua ignorada. Refiro-me à dívida externa, de âmbito nacional, em que estão envolvidos o Estado, as empresas e as famílias. Apesar de alguma sobreposição, é sobre esta dívida que me proponho reflectir.

Os números são de 2010, mas não creio que tenham tido grandes alterações. A Zona Euro no seu conjunto está relativamente equilibrada, mas os respectivos países dividem-se em dois grupos antagónicos: os que geram excedentes - casos da Alemanha, da Bélgica, da Holanda e do Luxemburgo; e os que geram défices - casos da Espanha, da Itália, da França e de Portugal. Admitindo que haveria vontade política, como corrigir este desequilíbrio?

Uma hipótese seria aumentar a procura interna dos países excedentários. Como as importações de um país são exportações dos outros, esta medida levaria a um aumento da procura externa nos países deficitários e, por reflexo, a uma melhoria da produção global. Por exemplo: metade dos excedentes da Alemanha dava para pagar a quase totalidade das dívidas de Portugal, da Irlanda e da Grécia. Só que a vontade política não existe, ponto final.

A outra hipótese é aumentar a competitividade dos países deficitários. O que significa pelo menos uma de duas coisas: ou mais investimento e melhor organização do lado das empresas ou salários mais baixos do lado dos trabalhadores. Mas nada disto é fácil. Tomemos como exemplo o caso português. As empresas estão hoje descapitalizadas e não há ninguém que as financie; e os salários nominais, independentemente da injustiça, não podem sequer ser objecto de redução. Como sair disto?

A minha opinião é que o Governo deveria pegar neste cenário caótico e tentar convencer os países excedentários a mudarem de política, numa perspectiva da melhoria do conjunto. Mas confesso que nem eu próprio acredito nisso. Ou seja, o nosso problema vai ter de ser resolvido internamente. Como? Um dia destes, a ‘troika' chama o Governo e diz-lhe que a solução está em sair do euro, regressar ao escudo e proceder a uma brutal desvalorização. Os salários caem no mínimo para metade.

É o fim da linha.

 

DEPENDÊNCIA EXTERNA

Dos valores anuais...

(Balança corrente, % PIB)

...aos valores acumulados

(Saldo exterior*, % PIB)

*Medido através da PII - Posição de Investimento Internacional.

A balança corrente do conjunto da Zona Euro está praticamente equilibrada, mas os desequilíbrios entre países
são colossais. Por exemplo: o nosso défice é idêntico ao da Grécia, ambos da ordem dos 10% do PIB, o que configura uma situação explosiva. Já a nossa dívida acumulada excede o valor do PIB e é, em termos relativos, o mais alto de toda a Zona Euro. A imagem que prevalece é a de que o país não tem solução...

____

Daniel Amaral, Economista
d.amaral@netcabo.pt


publicado por ooraculo às 17:18
link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Dezembro 2012

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
12
13
14
15

16
17
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30
31


.posts recentes

. Regresso ao futuro

. Passos perdidos

. 2013: A vertigem

. O Estado "social"

. O declínio da Europa

. Chover no molhado

. O Estado vampiro

. A escapatória

. OE/2013: a ruptura

. Um país destroçado

.arquivos

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

blogs SAPO

.subscrever feeds