Sexta-feira, 20 de Janeiro de 2012

O desperdício

Em economia, chama-se PIB potencial ao valor que uma economia consegue produzir num determinado período de tempo se todos os recursos disponíveis forem utilizados de forma plena e eficiente. A este conceito está associado um outro, o de hiato do produto, que é igual à diferença entre o PIB efectivo e o PIB potencial, medido em percentagem deste último. E o nosso PIB potencial andará próximo da estagnação.

O que é que isto significa?

Admitamos uma situação em que o produto efectivo excedesse o potencial. Neste caso, o aparelho produtivo estaria em sobreaquecimento e os trabalhadores teriam de recorrer a horas extra para satisfazer a procura. A consequência imediata seria uma enorme pressão sobre os preços, a exigir políticas contraccionistas. Isto é o que diz a teoria económica. O que nós temos é uma pressão sobre os preços em paralelo com a maior das recessões.

Admitamos agora que o produto efectivo era inferior ao potencial. Neste caso, o aparelho produtivo estaria subutilizado e, a essa luz, precisaríamos de políticas expansionistas para combater a recessão e o desemprego. Sucede que, uma vez mais, o que está a suceder é o inverso: a nossa economia está de pantanas e, como resposta, praticamos a austeridade mais violenta de que há memória em Portugal.

A teoria económica já não é o que era.

Esta imagem caótica que hoje em dia reflecte a economia portuguesa levou-me a alargar a análise ao conjunto da zona euro e também aos EUA, o que o leitor poderá acompanhar através dos gráficos abaixo. Até meados de 2008, quando a crise se iniciou, o PIB efectivo e o PIB potencial eram de valor mais ou menos equivalente, o que parecia correcto. Mas a seguir foi o caos: hoje, a Europa e a América estão abaixo do potencial, Portugal está à beira da ruptura e a Grécia não tem solução.

É um mau prenúncio. Com um PIB potencial que há vários anos não cresce, o nosso PIB efectivo deverá situar-se este ano 5% abaixo daquele potencial, o que reflecte uma enorme subutilização da capacidade produtiva. Em condições normais, o que faria sentido era estimular a procura, interna e externamente, através de políticas que nos levassem a utilizar toda a capacidade disponível. Mas aquilo que nos impuseram foi ainda mais austeridade, o que vai levar a economia a bater no fundo.

A quem serve o desperdício?

 

O HIATO DO PRODUTO*

Dos grandes blocos...

 (PIB potencial=100)

...aos países assistidos

 (PIB potencial=100)

 Até meados de 2008, o PIB efectivo e o PIB potencial pareciam caminhar de mãos dadas, tanto na Europa como nos Estados Unidos, o que parecia correcto. Mas o que veio a seguir estragou tudo, em especial na Europa. A Zona Euro está a actuar 2% abaixo do potencial; a Grécia está ligada à máquina e à espera de que desliguem; e Portugal é apenas a vítima seguinte. Se era este o objectivo da dupla Merkel-Sarcozy - ganharam!

____

Daniel Amaral Economista
d.amaral@netcabo.pt

publicado por ooraculo às 15:59
link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Dezembro 2012

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
12
13
14
15

16
17
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30
31


.posts recentes

. Regresso ao futuro

. Passos perdidos

. 2013: A vertigem

. O Estado "social"

. O declínio da Europa

. Chover no molhado

. O Estado vampiro

. A escapatória

. OE/2013: a ruptura

. Um país destroçado

.arquivos

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

blogs SAPO

.subscrever feeds