Sexta-feira, 27 de Janeiro de 2012

Filme de terror

Peguemos no PIB de 2008, quando a crise começou, e projectemo-lo para 2012, à luz das projecções mais recentes do Banco de Portugal. Aquele valor vai cair cerca de 6%. Razões para o descalabro: o colapso da procura interna, consumo e investimento, com este último a cair a pique. É o resultado das violentas políticas de austeridade que nos impuseram, que ainda se mantêm e que ameaçam destruir-nos. Não há memória de uma recessão assim.

 

Façamos o mesmo com a área laboral. Em 2008, com uma população activa de 5.625 milhares de pessoas, o desemprego atingia 427 mil, 7,6% do total. Mas, de acordo com as referidas projecções, entre 2008 e 2012 serão destruídos mais 365 mil postos de trabalho, que se juntam aos 427 mil anteriores. E, dependendo da evolução da população activa, a taxa de desemprego será sempre superior a 13%. Não há memória de um cenário tão injusto. Com a dívida pública passa-se algo de semelhante. Fruto de políticas suicidas que já levam mais de uma década, a dívida pública em 2008 era de €123 mil milhões, quase 72% do PIB, quando o nosso limite não poderia exceder os 60%. Mas, quatro anos volvidos, preparamo-nos agora para atingir os 111% do PIB, algo como €188 mil milhões, uma dívida ingerível e para a qual ninguém vislumbra solução. Não há memória de uma asfixia tão brutal.

 

Com isto chegamos às respostas do actual Governo. Primeiro, foi a Taxa Social Única: falhou. Depois, foi a meia hora de trabalho a mais: também falhou. E, não desejando correr mais riscos, optou então por um daqueles modelos que todos sabíamos infalíveis: cortou nos salários, aumentou os impostos e absorveu e gastou mais uns fundos de pensões. Como é que no futuro vai pagar aos pensionistas é um tema que não lhe interessa discutir.

 

Resta-nos falar do último acordo de concertação social, que na óptica dos trabalhadores se pode resumir assim: vão trabalhar mais, receber menos, ter menos direitos e ser mais facilmente despedidos. E como isto acontece num fase de grande subutilização da capacidade produtiva, é óbvio que o desemprego só pode disparar em flecha. Mensagem implícita: afinal, nós não temos produção a menos; o que nós temos são trabalhadores a mais. Que País é este?

 

Gráfico

Entre 2008 e 2012 o PIB vai cair 6%: é a maior recessão de que há memória em Portugal. Na sua origem está o colapso da procura interna, em especial o investimento, que cai a pique. E o desemprego, que já era arrepiante, vai agravar-se ainda mais. A juntar a tudo isto, vamos a caminho de uma dívida pública de 111% do PIB, quaseo dobro do limite máximo, e depois encarar a fúria dos mercados a partir de 2013. Apertem os cintos...

 

Daniel Amaral Economista d.amaral@netcabo.pt

publicado por ooraculo às 16:21
link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Dezembro 2012

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
12
13
14
15

16
17
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30
31


.posts recentes

. Regresso ao futuro

. Passos perdidos

. 2013: A vertigem

. O Estado "social"

. O declínio da Europa

. Chover no molhado

. O Estado vampiro

. A escapatória

. OE/2013: a ruptura

. Um país destroçado

.arquivos

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

blogs SAPO

.subscrever feeds