Sexta-feira, 8 de Junho de 2012

Grécia: a vertigem

A Grécia aderiu ao euro no início de 2001, tendo sido o 12º
país a fazê-lo. E, como os outros, assumiu o compromisso de não exceder 3% do
défice orçamental nem 60% da dívida pública, ambos em percentagem do PIB. Nunca
o conseguiu. Mais: no final de 2011, o défice estava em 9% e a dívida em 165%,
praticamente o triplo dos limites máximos a que se comprometera. Percebe-se a
crítica que hoje lhe fazem: melhor fora que não tivesse aderido.

 

A Grécia foi objecto de um primeiro resgate em Maio de 2010,
beneficiando de um crédito de €110 mil milhões para resolver os seus problemas.
O que sucedeu foi que todos os problemas se agravaram. Indicadores do final de
2011: o PIB caiu 7%; a taxa de desemprego pulou para os 18% da população
activa; e o défice da balança comercial afundou-se em 13% do PIB. Em paralelo
eram também resgatados a Irlanda e Portugal. A ajuda só desajudou.

 

A Grécia obteve um segundo resgate em Julho de 2011, no
valor de €210 mil milhões, ao mesmo tempo que beneficiava de um perdão
voluntário (?) de 50% das dívidas a entidades privadas, no valor de €103 mil
milhões. Como contrapartida aceitou introduzir o seguinte plano de austeridade:
congelamento dos salários, extinção dos subsídios de férias e de Natal e
eliminação de 150 mil empregos do Estado até 2015. O resgate dava lugar à
asfixia.

 

A Grécia assinou de cruz o chamado pacto fiscal, aprovado
por 25 países da UE em Março de 2012 e que está a ser objecto de ratificação.
Este documento, que entrará em vigor no início de 2013, envolve os seguintes
compromissos: o défice não poderá exceder 0,5% do PIB e a dívida que for além
de 60% do PIB terá de ser eliminada em 20 anos, através de prestações anuais e
iguais. Mas nenhum deles vai ser respeitado e a Europa sabe disso.

 

A Grécia submeteu-se a eleições em 6 de Maio, mas não
conseguiu formar governo. E não me surpreenderia se viesse a suceder o mesmo a
17 deste mês. O que nos leva a duas conclusões, ambas más. A primeira é que os
gregos se estão nas tintas para os compromissos assumidos. A segunda é que os
senhores do euro são suficientemente hipócritas para imporem o que não é
exequível, para depois lavarem daí as mãos. Um golpe perfeito – e execrável.

 

A Grécia do euro termina aqui. 

 

d.amaral@netcabo.pt

 

 

 

 

 

 

publicado por ooraculo às 15:58
link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Dezembro 2012

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
12
13
14
15

16
17
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30
31


.posts recentes

. Regresso ao futuro

. Passos perdidos

. 2013: A vertigem

. O Estado "social"

. O declínio da Europa

. Chover no molhado

. O Estado vampiro

. A escapatória

. OE/2013: a ruptura

. Um país destroçado

.arquivos

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

blogs SAPO

.subscrever feeds