Sexta-feira, 29 de Junho de 2012

Verdade inconveniente

O economista António Borges, conselheiro do Governo,
entendeu dever emitir a seguinte opinião: a diminuição dos salários não é uma
política, é uma emergência. Borges, que veio de um desempenho polémico na Goldman
Sachs e no FMI, aparece hoje associado aos dois sectores, o público e o privado,
numa mistura explosiva que aconselharia recato. Por isso subscrevo a tese que
circula por aí: ele fala de mais. Feito o reparo, vamos aos factos.

 

Se atribuirmos ao PIB dos países da zona euro o valor de
100, o peso das remunerações naquele PIB, salariais e outras, incluindo as
contribuições patronais para a Segurança Social, é em Portugal de 50,2, o que
compara com 51,2 na Alemanha e 48,9 na média do conjunto. E esta relação tem
sido mais ou menos constante ao longo do tempo. Ou seja, tomando como
referência a riqueza produzida, Portugal é dos países que paga salários mais
altos.

 

O problema está aqui, na tal riqueza produzida. É que, num
outro plano, se tomarmos como referência o rendimento ‘per capita’ dos
diferentes países, já corrigido da paridade do poder de compra, a um valor de
100 na União Europeia correspondem 120 na Alemanha e apenas 77 em Portugal. Não
que os nossos trabalhadores sejam piores do que os outros: o mal está na formação
de base e, já nas empresas, nos meios que estas põem à sua disposição.

 

A juntar a tudo isto, as famílias portuguesas têm gasto de
mais. A prova está nas duas dívidas, a pública e a externa, com ambas a
excederem o próprio PIB. Ainda que a distribuição injusta deva também ser
ponderada. O contraponto a este despesismo terá de ser, no futuro, gastar de
menos, de modo a repor o equilíbrio – algo que, a meu juízo, vai envolver um
período não inferior a dez anos. E, a esta luz, a redução salarial é
inevitável.

 

Com isto chegamos às famosas declarações de António Borges,
conselheiro influente e figura de proa de um Governo que, até hoje, mais não
fez do que aumentar os impostos, diminuir os salários, facilitar os
despedimentos e elevar a taxa de desemprego até níveis insuportáveis. Borges
foi conivente – e inconveniente. Eu posso dizer o que ele disse. Ele não. O que
ele disse é verdade. Mas há verdades que o pudor recomenda que não se digam.

 

Tenho dito.

  

d.amaral@netcabo.pt

publicado por ooraculo às 15:31
link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Dezembro 2012

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
12
13
14
15

16
17
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30
31


.posts recentes

. Regresso ao futuro

. Passos perdidos

. 2013: A vertigem

. O Estado "social"

. O declínio da Europa

. Chover no molhado

. O Estado vampiro

. A escapatória

. OE/2013: a ruptura

. Um país destroçado

.arquivos

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

blogs SAPO

.subscrever feeds