Sexta-feira, 13 de Julho de 2012

A frente anti-alemã

Primeiro a França, depois a Espanha, a seguir a Itália: a
Alemanha imperial, líder incontestada e defensora de uma austeridade sem
regras, lá acabou por ceder um pouco. Vingou o peso das economias. O peso da
Alemanha, sozinha, era igual a cinco vezes o peso conjunto da Grécia, da
Irlanda e de Portugal. Mas a Espanha, a Itália e a França, desta vez unidas, valiam
quase tanto como duas Alemanhas. O euro pode ter iniciado uma nova era.

 

François Hollande, erguendo a bandeira do crescimento
económico e da criação de emprego, terá conseguido a injecção de 120 mil
milhões de euros no conjunto das economias da zona euro, sendo 60 mil milhões
de empréstimos do BEI às PME, 5 mil milhões do orçamento comunitário sob a
forma de ‘project bonds’ e 55 mil milhões através do redireccionamento de
fundos estruturais. Uma gota de água num oceano de carências? Sim, mas foi um
começo.

 

Mariano Rajoy, do lado de Espanha, terá obtido um acordo de
princípio no sentido de os fundos do euro intervirem directamente na
recapitalização dos bancos, evitando desse modo a intervenção dos Estados e,
por reflexo, o agravamento da dívida pública. Claro que esta recapitalização só
deverá ocorrer lá para o final do ano, quando de facto se consumar a união
bancária. Mas o essencial está feito e Portugal irá também beneficiar disso.

 

Mario Monti, em Itália, sem deixar de acompanhar de perto as
reivindicações dos seus homólogos europeus, centrou as suas principais exigências
naquilo a que chamou a “histeria” dos mercados, que acusou de responsáveis
pelas taxas de juro proibitivas que ameaçavam levar o país à falência. E acabou
por ser ele o elo mais forte na procura de uma flexibilização que, tudo o
indica, deverá culminar numa redução efectiva do preço do dinheiro.

 

Claro que nem tudo são rosas. Como seria de esperar, a
Holanda e a Finlândia, eternos aliados da Alemanha, logo se opuseram a que o
novo mecanismo de estabilidade do euro venha a intervir na compra de dívidas
europeias nos mercados secundários para baixar as taxas de juro. E a dúvida
instalou-se. Vamos ter de averiguar se aquela intervenção carece de unanimidade
ou tão-só de uma maioria qualificada. Eu inclino-me para a segunda hipótese.

 

Enfim, será desta?  

 

d.amaral@netcabo.pt

publicado por ooraculo às 16:26
link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Dezembro 2012

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
12
13
14
15

16
17
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30
31


.posts recentes

. Regresso ao futuro

. Passos perdidos

. 2013: A vertigem

. O Estado "social"

. O declínio da Europa

. Chover no molhado

. O Estado vampiro

. A escapatória

. OE/2013: a ruptura

. Um país destroçado

.arquivos

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

blogs SAPO

.subscrever feeds