Sexta-feira, 27 de Julho de 2012

A dívida maldita

 

Sentei-me ao computador, abri o Excel, defini as variáveis e coloquei-me esta pergunta: como é que se lida com a dívida pública? As principais variáveis são quatro: o quadro orçamental, o crescimento económico, o prazo e a taxa de juro. Mas, por uma questão de simplificação, vou limitar-me ao PIB e aos juros, fixando as duas restantes. O ponto de partida, para um PIB igual a 100, é uma dívida de 110. E pronto: agora é fazer as contas.

 

Pressupostos para um prazo de 10 anos: o PIB nominal cresce 3,5% ao ano (o que inclui 2% da variável preço, idêntica à inflação esperada); a taxa de juro é de 3% ao ano; e o saldo primário é nulo (receitas iguais a despesas sem juros). Efectuados os cálculos, e uma vez que os juros acrescem à dívida, esta cai cinco pontos para 105% do PIB. A melhoria vem do PIB, que cresce um pouco mais do que a taxa de juro (ver gráfico da esquerda).

 

Pressupostos para os 10 anos seguintes: o acréscimo nominal do PIB sobe para 4% ao ano; a taxa de juro sobe dois pontos para 5% ao ano; e o saldo primário passa a ser positivo e de 3% do PIB, a aplicar na amortização da dívida. Feitas as projecções, a dívida cai agora 50 pontos para 55% do PIB, o que já a coloca dentro dos padrões de Maastricht. São o PIB acrescido e a amortização da dívida a fazer a diferença (ver gráfico da direita).

 

A partir daqui, jogando apenas com o PIB e com as taxas de juro, podemos criar tantos cenários quantos quisermos. Hipótese 1: o PIB é acrescido de um ponto percentual ao longo de todo o período; no final, a dívida pesa 45% do PIB. Hipótese 2: a taxa de juro é acrescida de dois pontos ao longo de todo o período; no final, a dívida sobe para 68%. Hipótese 3: juntamos as duas hipóteses anteriores; no final, a dívida cai para os 56%. Etc.

 

Estes números dão-nos uma ideia daquilo com que poderemos contar. O controlo orçamental carece de mão de ferro. Dificilmente se resolverá o problema num qualquer período inferior a 20 anos. E o PIB e as taxas de juro deverão funcionar como irmãos siameses: se o primeiro não tiver um crescimento razoável, dificilmente as segundas serão sustentáveis. Têm a palavra a capacidade do Governo e os humores da ‘troika’ – e seja o que Deus quiser.

 

Há milagres assim.

 

d.amaral@netcabo.pt

 

publicado por ooraculo às 16:09
link do post | comentar | favorito
|
1 comentário:
De alberto a 11 de Agosto de 2012 às 12:29
Daniel Amaral, que venho lendo há muitos anos, é um comentador honesto e coloca as questões exactamente como devem ser colocadas: com os números.
E vem demonstrar a falácia em pôr a solução ( vamos ver se há solução, claro que soluções há sempre ) do reequilíbrio macroeconómico num período inferior a 20 anos. Só não vê quem não quer, mas não há muitos economistas a fazê-lo públicamente , o que é pena, porque evitaria a estupefacção e o insulto de lermos que há muita gente a ver Sócrates como o melhor PM . O anterior PM é/foi um aventureiro da política que geriu o investimento público e a dívida de forma dolosa e envergonhou os cidadãos que votam PS.


Comentar post

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Dezembro 2012

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
12
13
14
15

16
17
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30
31


.posts recentes

. Regresso ao futuro

. Passos perdidos

. 2013: A vertigem

. O Estado "social"

. O declínio da Europa

. Chover no molhado

. O Estado vampiro

. A escapatória

. OE/2013: a ruptura

. Um país destroçado

.arquivos

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

blogs SAPO

.subscrever feeds