Terça-feira, 25 de Setembro de 2012

Um país encurralado

 

 

Na semana passada falei aqui da balança corrente, que reflecte o nosso saldo com o exterior, sempre negativo. Hoje vou um pouco mais longe e analisar os valores acumulados pelo Estado, as famílias e os bancos portugueses. No final de 2011 o valor líquido da chamada posição de investimento internacional era negativo e de €177 mil milhões, cerca de 104% do PIB. Falo da nossa dívida externa, uma loucura. Como é que se lida com estes números?

 

O comércio externo, encarado à escala mundial, é um conjunto de soma zero: as exportações de um lado são importações do outro e inversamente. Mas, quando se desce ao pormenor, as coisas não são bem assim. E a balança corrente da zona euro é um bom exemplo. Ainda que globalmente equilibrada, há excedentes significativos na Alemanha, na Holanda e na Áustria, ao mesmo tempo que se registam enormes défices em Espanha, em Itália e em Portugal.

 

É exactamente aqui que Portugal destoa. Quando se juntam os valores acumulados, a dívida externa da Europa do euro é de uns 12% do PIB, facilmente geríveis. Mas há um problema cá em baixo, nos países do sul: sempre em percentagem do PIB, a Grécia atinge 80%, a Espanha 92% e Portugal 104%. Portugal, à sua escala, é um dos mais endividados do mundo. Se me perguntam como é que se lida com uma situação destas, a resposta é simples: não sei.

 

Terá sido este número louco que levou Passos Coelho à TSU. Mas o resultado foi trágico: os parceiros sociais zangaram-se porque não foram ouvidos; os empresários de topo ergueram-se em bloco contra a medida; o CDS ameaçou romper com a coligação; os protestos de rua terão atingido a sua maior dimensão de sempre; e, sem dar por isso, o país viu-se encurralado numa crise gravíssima para que não se vislumbra solução. Pior era impossível.

 

Olha-se para tudo isto e só nos resta uma saída: recorrer ao investimento, de modo a promover o crescimento económico e a criação de emprego. Mas esta “única saída” esbarra num muro de betão: a ‘troika’, que nos controla e nos financia, acha que devemos submeter-nos a uma austeridade cega e sem limites, cavando uma recessão que nos asfixia e nos há-de levar à miséria extrema. A mensagem é clara: portámo-nos mal; esta é a punição devida.

 

Quem nos acode?   

 

                                                                                                                                                                                            d.amaral@netcabo.pt

 

publicado por ooraculo às 15:35
link do post | comentar | favorito
|
1 comentário:
De alberto a 26 de Setembro de 2012 às 13:51
Ninguém nos acode, isto vai piorando até que se discuta se sair do euro ( o mais controladamente possível ) é a saída viável. Começa a aproximar-se o ponto ( 120% / 130% do PIB ) em que a dívida tem que ter um hair-cut para ser pagável. É esta uma possibilidade real? Se não é, não teremos outra saída senão sair do euro, a menos que a UE mude as regras. Ou seja, ninguém nos vale, mas a UE pode ser a ajuda que precisamos. E uma perseguição judicial feroz aos elementos políticos que nos puseram nesta situação.


Comentar post

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Dezembro 2012

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
12
13
14
15

16
17
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30
31


.posts recentes

. Regresso ao futuro

. Passos perdidos

. 2013: A vertigem

. O Estado "social"

. O declínio da Europa

. Chover no molhado

. O Estado vampiro

. A escapatória

. OE/2013: a ruptura

. Um país destroçado

.arquivos

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

blogs SAPO

.subscrever feeds