Sexta-feira, 26 de Fevereiro de 2010

O risco país

No auge da crise, alguns bancos faliram e outros foram salvos pelos Estados a que pertenciam. Hoje é pior: há Estados que ameaçam falência e nem os bancos querem salvá-los. O mundo virou de pernas para o ar. Numa das suas últimas edições, a revista britânica ‘The Economist', citando números da OCDE, faz uma avaliação dos riscos de insolvência de alguns países, entre os quais o nosso. É um estudo interessante, que vou procurar sintetizar.

O risco de ‘default' é analisado à luz de três critérios: o défice orçamental sem juros, a dívida pública acumulada e a diferença entre a taxa de juro e o crescimento nominal do produto. Quanto maiores forem estes indicadores maior será a dificuldade em respeitar os compromissos e, nessa medida, maior o risco país. Os dois primeiros critérios são óbvios; o terceiro carece de explicação.

Admitamos um cenário em que a dívida pública é igual ao PIB e que ambos são representados por 100. Se, no ano seguinte, a taxa de juro que incide sobre a dívida for de 5% e o crescimento nominal do PIB de apenas 3%, o PIB passa para 103 e a dívida para 105. Isto significa que, independentemente de tudo o resto, há aqui um duplo agravamento da dívida - ela sobe em valor absoluto e na sua relação face ao PIB. Esta é a imagem de Portugal ao espelho.

Na lista de 23 países da OCDE submetidos à análise de risco, Portugal aparece em quinto lugar, atrás da Grécia, da Irlanda, do Reino Unido e do Japão. A Espanha vem imediatamente a seguir. Não é um mau resultado, se atendermos a que todos eles se apresentam num grau de desenvolvimento mais avançado do que o nosso. Mas é um resultado que, ainda assim, põe a nu dois dos nossos principais problemas: o baixo crescimento e o enorme peso da dívida.

O efeito não deixa de ser curioso. E tanto mais quanto sabemos que, pelo menos em parte, o crescimento e o endividamento são causa e efeito um do outro. O que nos leva a um movimento circular: crescemos pouco porque somos penalizados pela dívida; endividamo-nos muito porque o crescimento não descola. Eis uma palavra, a que chamaria objectivo, que políticos e empresários deveriam prosseguir, se necessário à força: crescer, crescer, crescer.

A propósito: como é que se cresce?

publicado por ooraculo às 00:30
link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Dezembro 2012

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
12
13
14
15

16
17
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30
31


.posts recentes

. Regresso ao futuro

. Passos perdidos

. 2013: A vertigem

. O Estado "social"

. O declínio da Europa

. Chover no molhado

. O Estado vampiro

. A escapatória

. OE/2013: a ruptura

. Um país destroçado

.arquivos

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

blogs SAPO

.subscrever feeds